Imprimir esta página

Deus existe: chocolate emagrece!

  Carla Conte

A ciência comprovou que o tipo amargo, consumido em doses moderadas, tem o efeito de saciar a fome. Isso facilita (e muito!) o resultado da dieta.

Desde que o homem aprendeu a contar calorias, o chocolate tem fama de fazer a gente ganhar quilinhos extras. Não é por menos: tem cerca de 500 calorias em 100 gramas, pesando (bastante!) no cardápio de qualquer uma de nós. Logo, quem iria imaginar que a guloseima mais amada pelas mulheres tem algum efeito emagrecedor? Isso mesmo: os cientistas descobriram que, dependendo da concentração de cacau, ele pode ajudar o ponteiro da balança a descer.

Surpresa? Nós também ficamos! Mas é fato: o tipo amargo – chocolate com maior concentração de cacau – aumenta a sensação de saciedade. A comprovação, publicada na conceituada revista científica International Journal of Obesity, veio de uma pesquisa coordenada pelo médico dinamarquês Arne Vernon Astrup, chefe do Departamento de Nutrição Humana da Universidade Real de Copenhague, na Dinamarca. Dois grupos participaram do estudo e o que comeu chocolate amargo pela manhã, ainda em jejum, ficou mais saciado. Resultado: consumiu 15% menos calorias ao longo do dia em comparação ao grupo que optou pelo chocolate ao leite.

Qual é o mecanismo de ação no organismo? Astrup e seus colegas ainda não conseguiram chegar a uma conclusão. "A regulação do apetite é um sistema muito complexo", afirma, com exclusividade para BOA FORMA, Lone Brinkmann Sorensen, da equipe de Astrup. "Mas o estudo apontou que os pacientes que comeram chocolate amargo sentiram inclusive menos vontade de comer doce", completa.

Antes de achar que 15% não é grande coisa, vamos fazer algumas contas. Uma mulher de altura e peso medianos (1,65 metro e 58 quilos) consome cerca de 2 mil calorias diárias para manter a saúde funcionando a pleno vapor e as curvas no lugar. Assim, se reduzir o consumo em 15%, economizará 300 calorias por dia. Isso significa um almoço leve (saladinha verde, uma porção pequena de macarrão com molho de tomate e um bife rolê pequeno). E, se você fizer uma caminhada em ritmo de passeio, gastará 360 calorias em uma hora. Quer dizer: essa economia não é nada desprezível.

Também no Brasil, profissionais na área da alimentação apostam na delícia dos deuses para afinar a cintura. A nutricionista Edina Sakamoto, de Campinas, inclui na dieta de emagrecimento de suas pacientes uma pequena porção de chocolate amargo. O motivo? "Algumas substâncias do cacau, como a 2-feniletilamina e a N-aciletanolamina, agem no cérebro fechando o receptores que pedem doce", explica Edina. Você sabe: quando o desejo de açúcar diminui, fica bem mais fácil a gente controlar a balança. Só para ficar claro: é preciso optar pelo tipo amargo. E lógico, numa porção diária moderada – 30 gramas, o equivalente a uma barra pequena ou dois bombons também pequenos. É pouco para você? Pode ser, mas não vai existir nadinha de culpa!

Bom para o humor

Ok, você tem direito a mais um pedacinho (só um, hein!) quando estiver triste, cansada ou estressada. "Como também age no setor límbico – área do cérebro que alia emoção à comida –, o chocolate tem o poder de diminuir aquela vontade louca de doce que aparece especialmente em situações emocionais negativas", diz a nutricionista Edina Sakamoto. Além disso, o cacau concentra vários componentes que melhoram o humor, alguns de nomes complicados: teobromina (um primo mais fraco da cafeína), triptofano, feniletilamina e magnésio – combinação que ajuda a combater até a depressão. Mais: o principal ingrediente do chocolate carrega compostos que inibem a degradação da anandamida, substância que prolonga a sensação de bem-estar. "Produzida pelo nosso cérebro, ela tem ação parecida com a dos canabinóides da maconha", diz a médica ortomolecular e nutróloga Tamara Mazaracki, do Rio de Janeiro. "Enfim, são vários os efeitos positivos que, juntos, facilitam o controle do apetite", completa Márcio Mancini, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso). Para potencializar os benefícios do chocolate, a sugestão é reservá-lo para o lanche da manhã. "Além de melhorar o bem-estar, o triptofano presente no cacau participa da produção do neuropeptídio Y. Essa substância é responsável pela sensação de saciedade e tem maior ação no período da manhã", explica a nutricionista Daniela Jobst, do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional, em São Paulo.

O amargo é melhor

Sim, vale a pena tentar descobrir o prazer do chocolate com maior concentração de cacau, o amargo. No chocolate ao leite, os efeitos terapêuticos são menores porque o leite enfraquece o poder do cacau. E, por ter mais açúcar, apresenta alto índice glicêmico – é só comer para disparar a produção de insulina, hormônio que faz o corpo armazenar mais gordura. Sem falar do efeito rebote: a insulina tira o açúcar rapidamente de circulação e o seu organismo pede mais doce, fazendo você comer um atrás do outro. Já o branco nem é considerado chocolate entre os entendidos. Fique esperta também com a gordura trans – há empresas que ainda substituem a manteiga de cacau por essa inimiga para baratear o produto. Clique aqui e veja a fórmula básica da guloseima.

Os tipos de chocolate

AMARGO
De 56% a 85% de cacau + pouca manteiga de cacau + pouco açúcar

Calorias: 500
Antioxidantes: de 250 mg a 450 mg

MEIO AMARGO
De 40% a 55% de cacau + pouca manteiga de cacau + pouco açúcar

Calorias: 500
Antioxidantes: cerca de 170 mg

AO LEITE
De 20% a 39% de cacau + manteiga de cacau + açúcar + leite (e/ou leite em pó e condensado)

Calorias: 530
Antioxidantes: cerca de 70 mg
 
BRANCO
Nada de cacau + manteiga de cacau + leite + açúcar + lecitina

Calorias: 546
Antioxidantes: zero